Ele andou com Jesus

celula
image_pdfimage_print

Texto: Mc. 14:66/72E, estando Pedro embaixo, no átrio, chegou uma das criadas do sumo sacerdote;E, vendo a Pedro, que se estava aquentando, olhou para ele, e disse: Tu também estavas com Jesus, o Nazareno.
Mas ele negou-o, dizendo: Não o conheço, nem sei o que dizes. E saiu fora ao alpendre, e o galo cantou.E a criada, vendo-o outra vez, começou a dizer aos que ali estavam: Este é um dos tais.Mas ele o negou outra vez. E pouco depois os que ali estavam disseram outra vez a Pedro: Verdadeiramente tu és um deles, porque és também galileu, e tua fala é semelhante.E ele começou a praguejar, e a jurar: Não conheço esse homem de quem falais.E o galo cantou segunda vez. E Pedro lembrou-se da palavra que Jesus lhe tinha dito: Antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás. E, retirando-se dali, chorou.

Início: Nem sempre seremos unânimes em algo que fazemos ou queremos fazer, não importa quão bom seja. Na criação do ministério de Jesus já havia problemas assim, os Cristãos eram rejeitados, discriminados e mal tratados apenas por serem cristãos. Eles queriam apenas fazer o bem a quem quer que precisasse. Pregar as boas novas era a meta de cada um e com elas, curar em nome de Jesus Cristo, trazer o reino de Deus ao coração dos homens e conseqüentemente a paz para toda a humanidade.

É, mas isso não é tão fácil assim.

Pedro sentiu na pele aquilo que Jesus sentiu ao querer apresentar o único e verdadeiro Deus aos homens, não seria uma tarefa fácil e precisaria de coragem e determinação para prosseguir, não seria fácil afirmar o nome de Cristo em meio aos que o odiavam.

Será que todos nós temos um pouquinho de Pedro no tocante ao medo de professar a fé onde quer que seja?

Jesus se aproximou e disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens. MT 4:19

O nosso chamado é diário para levarmos o amor de Deus por onde formos, com o testemunho de nossas ações, palavras, decisões, enfim, há um chamado diário, uma conversão diária à Cristo e, para isso, há também uma batalha constante entre o estar com Cristo e o Negar a Cristo.

Como cristãos, não demoramos nenhum segundo sequer em condenar a Pedro pela sua atitude de medo ao negar Cristo perante pessoas que o acusavam.

Será que nós mesmos já não fizemos isso alguma vez na vida?

Eu mesmo já tive vergonha de ser visto com minha bíblia na mão no começo de minha caminhada, mesmo estando eu apaixonado por Cristo, por aquela novidade de vida maravilhosa que ardia em meu coração, eu, desta forma o neguei.

Pedro, em seu jeito de ser, foi moldado pelas circunstâncias e venceu aquilo que um dia o emperrou em seu ministério.

Que reação teríamos nós ao ouvir alguém dizendo: “ Você é um deles”, em meio a prisão e posterior crucificação de Cristo?

Há diferença entre, quem realmente somos e o que pensamos ser?

Pedro quando andava com Cristo, provavelmente imaginava que seu relacionamento pessoal com Jesus Cristo era inabalável e estava rodeado de fidelidade e vitalidade espiritual.

Por acaso, não foi Pedro quem cortou a orelha de um servo do sumo sacerdote quando foram buscar Jesus para prende-lo, demonstrando sua coragem e indignação?
Porém não somos ou nem sempre somos o que pensamos ser.

Por acaso não foi Pedro quem negou a Cristo por três vezes escancarando para quem quisesse ver os seus medos?
Pedro pensava que já estava pronto, mas Cristo estava descortinando seu, caráter, curando suas feridas e após isso o preparando para ser quem Jesus queria que ele fosse.

A mudança

Jesus Cristo foi então crucificado e morto, mas ressuscitou e subiu aos céus, porém, não os deixou órfãos (João 14:18) e agora o Espírito Santo de Deus estava com eles todos.

Quando o medo vai embora ou até mesmo permanece mas passa a não impedir mais que o projeto salvação aconteça, os milagres começam a brotar pelas mãos dos homens que outrora eram fracos e hoje se tornaram extremamente fortes e inabaláveis, as notícias dessa mudança se espalham e ódio que havia contra os que andavam com Cristo se transforma em necessidade de cura física e da alma e o poder de Deus então, sem fazer acepção de pessoas, começa a fazer parte do cotidiano dos que crêem!

Um dia, Pedro se amedrontou por ter sido reconhecido como um dos que andavam com Jesus Cristo e ao ouvir uma voz dizendo: “Ele é um deles”, mas, agora, quando pessoas começam a levar seus enfermos a um lugar onde pelo menos a sombra de Pedro passe, os toque e os cure (At 5:15), simplesmente porque Pedro “É UM DELES”.

Nunca mais ninguém dos escolhidos negou sua fé!

Jesus Cristo se tornou o alvo de todos aqueles homens que um dia fugiram de medo da morte a qual se tornou o lucro do servir a um propósito muito maior, a vida eterna!

Conclusão.

Não importa como somos taxados, não importam as discriminações, não importam as dores sentidas na alma pelo descaso e incompreensão do que fazemos por amor a Cristo porque, se perseverarmos, mesmo que em muitos momentos estejamos com medo, o poder de Deus sempre prevalecerá e nos moldará através de todas as situações adversas ou não, para que sejamos também como Pedro que permaneceu em Cristo, sendo ele aquele que um dia o negara! Amém

Autor: Pr. Luiz