Jesus o pão nosso de cada dia

Texto: Êxodo 16:28-31- Então disse o SENHOR a Moisés: Até quando recusareis guardar os meus mandamentos e as minhas leis?29 – Vede, porquanto o SENHOR vos deu o sábado, portanto ele no sexto dia vos dá pão para dois dias; cada um fique no seu lugar, ninguém saia do seu lugar no sétimo dia.30 – Assim repousou o povo no sétimo dia.31 – E chamou a casa de Israel o seu nome maná; e era como semente de coentro branco, e o seu sabor como bolos de mel.

Início: Desde o momento que Deus decidiu ter um povo exclusivamente seu, para que mantivesse relacionamento com Ele, com integridade e intensidade, tudo que temos em sua Palavra é que esse propósito seja uma realidade espiritual em nossas vidas. Existem promessas na bíblia que são exclusiva para Israel, mas muitas outras são para nossas vidas, os gentios, que hoje somos enxertados na oliveira verdadeira. O maná foi algo exclusivo para Israel, mas que trazem verdades espirituais para cada um de nós.

O que significa maná?

A palavra maná é um tipo transliteração aproximada de um termo hebraico que aparece pela primeira vez na Bíblia em Êxodo 16:31. No entanto, em Êxodo 16:15 lemos sobre o momento em que o povo de Israel descobriu o maná (Êx.16:15 – E, vendo-a os filhos de Israel, disseram uns aos outros: Que é isto? Porque não sabiam o que era. Disse-lhes pois Moisés: Este é o pão que o SENHOR vos deu para comer). O maná veio em resposta a uma ação de rebeldia do povo, murmurando e relamando daquilo que Deus estava fazendo com eles no deserto. E quantas e quantas vezes isto também acontece conosco? Somos agraciados pelo seu amor e misericórdia e recebemos Dele não o que merecemos, mas o que Ele nos oferece.

Quando os israelitas viram aquela substância na superfície do deserto, eles perguntaram “o que é isto?”. Assim, a expressão “o que é”, do hebraico man, parece ser a tradução literal desse termo, ou seja, provavelmente o significado de maná se refere à qualidade misteriosa do mantimento divino.

Como era o maná?

O texto bíblico nos diz que o maná era pequeno e arredondado, com coloração esbranquiçada, e parecia semente de coentro e bdélio. Quando exposto ao sol, o maná derretia. Seu gosto era adocicado semelhante a “bolos de mel”(Êx 16:31), mas também lembrava, de alguma forma, “bolos amassados com azeite” (Nm 11:8).

É possível que a diferença na percepção do sabor ocorra devido ao modo de preparo do maná. Ele poderia ser preparado assado ou cozido. Geralmente o maná era amassado ou moído antes de ser preparado.

Como o maná foi enviado?

A Bíblia diz que o maná foi enviado por Deus quando o povo de Israel começou a reclamar da falta de alimento. A Bíblia descreve o maná como sendo o “cereal do céu” (Êx 16:4; Sl 78:23,24), provido pelo Senhor para sustentar o Seu povo. Mas nem sempre será assim, porque a bíblia diz que a rebelião é como o pecado de feitiçaria(I Sm.15:23)

Algumas pessoas equivocadamente imaginam que o maná era enviado do céu como um tipo de “chuva”, ou seja, de uma forma que literalmente caísse do céu. Todavia, o que a Bíblia nos diz é que o maná aparecia a cada manhã na superfície do deserto após o orvalho evaporar, de modo que ele era semelhante a “escamas finas como a geada sobre a terra” (Êx 16:14).

As regras sobre o maná

O maná aparecia todos os dias pela manhã, com exceção do sábado. Os israelitas eram autorizados a colherem um ômer dessa substância por pessoa, essa medida equivalia a aproximadamente 2 litros. Não adiantava tentar pegar mais do que a quantidade autorizada, pois o maná estragava quando guardado para o outro dia. Apenas às sextas feiras os israelitas eram autorizados a pegar o dobro da porção de maná, para que houvesse mantimento na sábado, o único dia em que nenhum maná aparecia. A porção de maná que era guardado para o sábado deveria ser armazenada já preparada, ou seja, assada ou cozida.

A provisão do maná continuou durante toda a peregrinação dos israelitas pelo deserto, e só cessou quando eles entraram na terra de Canaã, já que ali teriam outros meios de sustento (Js 5:12).

Uma medida do maná foi guardada por Arão e mantida como um memorial, um testemunho da provisão miraculosa enviada pelo Senhor para as gerações futuras (Êx 16:33,34).

O que era o maná? Ele foi realmente um milagre?

Sem dúvida o maná foi um milagre, dado por Deus para mostrar quem Ele era para o seu povo.

Qual era a finalidade do maná?

Além de sustentar fisicamente os israelitas, Deus enviou o maná para ensinar lições espirituais para aquele povo.

Primeiro, foi permitido que o povo tivesse fome, mas depois o Senhor enviou o maná, para fazê-los entender que “não só de pão viverá o homem, mas de tudo o que procede da boca do Senhor, disso viverá o homem” (Dt 8:3). Assim, com a provisão do maná Deus humilhou, provou e fez bem àquele povo, ensinando-lhes que deveriam confiar em Sua Palavra (Dt 8:16).

Conclusão: Jesus foi, é e sempre será o nosso Maná. No capítulo 6 do Evangelho de João, Jesus falou sobre o maná. Em João 6:31-35 Jesus se refere ao maná como uma tipificação de si mesmo, e estabeleceu um contraste ao mostrar que o maná que os judeus comeram no deserto apenas lhes serviu como sustento, pois no final eles morreram. Porém, Jesus é o “verdadeiro pão do céu”dado por Deus, o “pão da vida”, da qual quem d’Ele comer nunca morrerá (Jo 6:48-50).

No livro do Apocalipse encontramos mais uma referência ao maná na promessa feita a igreja em Pérgamo, onde foi prometido que ao vencedor será dado “o maná escondido” (Ap 2:17). Possivelmente essa expressão faz alusão à porção do maná que ficava escondido dentro da Arca no Santo do Santos (Hb 9:4). Quando entendemos que os ritos, ofertas e sacrifícios da Lei de Moisés eram imperfeitos e apenas serviam como sombra do único, definitivo e eficaz sacrifício de Cristo, então podemos entender que o maná escondido é o próprio Cristo, que alimenta de forma completa a sua Igreja. Amém

Cont: Estiloadoracao.com