Uma Igreja no padrão

Texto: Apocalipse 3:7-13 – E ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre:8 – Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome.9 – Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo. 1º parte

10 – Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra.11 – Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.12 – A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome.13 – Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.

A cidade – Filadélfia foi fundada pelo rei de Pérgamo, Átalos, cerca de 140 a.C. Este foi conhecido por sua lealdade ao seu irmão, dando assim origem ao nome da cidade (Filadélfia significa “amor fraternal”). A região produzia uvas, e o povo especialmente honrava a Dionísio, o deus grego do vinho. Localizava-se num vale no caminho entre Pérgamo e Laodicéia. Filadélfia foi destruída por um terremoto em 17 d.C. e reconstruída pelo imperador Tibério. Entre outros nomes que recebeu, devido ao governo romano. Durante o reinado de Vespasiano, foi também chamada de Flávia (nome de sua mulher). Hoje, Filadélfia corresponde à cidade turca de Alasehir, situada a 130km ao leste de Esmirna.

A igreja – Somente em Apocalipse (1.11; 3.7) faz referência a Filadélfia. Das sete igrejas do Apocalipse, as quais Jesus diz a João para enviar cartas (Ap 2 -3), esta igreja e a igreja de Esmirna não receberam nenhuma crítica de Cristo. Em toda carta Jesus não expressa nenhuma palavra de reprovação, mas de encorajamento.

Jesus se apresenta a essa igreja como “Santo e verdadeiro” (v.7). Ele tem os mesmos atributos do Pai. Assim Cristo declara sua divindade como Deus. É aquele que tem a “chave de Davi” (v.7b) – Jesus não é só fiel a sua Palavra, ele também tem o poder de abrir e fechar a cidade de “Jerusalém”: “Porei sobre o seu ombro a chave da casa de Davi; ele abrirá, e ninguém fechará, fechará, e ninguém abrirá.” (Is 22.22).  Qual Jerusalém? “Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo.”(Ap 21.2). Só Jesus abre as portas do Reino de Deus!

A igreja de Filadélfia se tornou um exemplo de igreja fiel e agradável a Deus.

Vejamos algumas características que nos ensinam a agradar a Deus:

  • A IGREJA QUE AGRADA A DEUS É UMA IGREJA QUE OBEDECE AO SENHOR JESUS (V. 8): Por ser obediente, a igreja recebe bênçãos (v.8) –  “conheço as tuas obras” – Jesus está totalmente familiarizado com as obras dos crentes de Filadélfia e não precisa de uma lista delas (Ap 2.2 – Conheço as tuas obras, e o teu trabalho, e a tua paciência, e que não podes sofrer os maus; e puseste à prova os que dizem ser apóstolos, e o não são, e tu os achaste mentirosos) e.; (Ap.2:19

         Eu conheço as tuas obras, e o teu amor, e o teu serviço, e a tua fé, e a tua paciência, e que as                   tuas   últimas obras são mais do que as primeiras), Jesus sabe tudo o que acontece na Sua igreja.                      “Tenho posto diante de ti uma porta aberta” e ninguém poderia fechar essa porta (cf v.8) – Jesus tem a            chave da cidade de Davi, assim aquele que é fiel ao Senhor tem uma porta aberta. Eles deveriam obedecer sem             medo, pois Jesus mesmo é quem tinha plantado aquela igreja para levar a Sua salvação aos gentios (At 14.27).              Aquele campo era uma porta aberta que ninguém poderia fechar! Deus é soberano na obra da salvação.

  • Essa igreja era obediente porque guardava a Palavra de Cristo (v.8b)“guardaste a minha palavra” –  Um reflexo do que disse o salmista: Sl. 119:11“Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti.”. Podemos entender que Filadelfia era uma igreja fraca, mas não se firmava em suas fraquezas, pois mesmo sendo fraca numericamente (cf v.8c), ela era forte. A visão hoje, de uma igreja forte é aquela que está abarrotada de gente. Aquela que você tem que chegar mais cedo para não ficar sem lugar de sentar-se. É aquela que tem o melhor cantor gospel. É aquela onde o pastor tira do espectador maior número de oferta. É aquela que destaca somente as bênçãos de Deus. Não quero dizer que uma igreja deva ser pequena e conformada. Não! Ela deve crescer, mas jamais sobre outro fundamento. Deve crescer obedecendo a Deus! Procurando andar nos caminhos do Senhor e sempre querendo fazer a sua vontade.

          Em Filadélfia havia uma igreja pequena, mas fiel ao Senhor. Poderiam até pensar:“nós não somos                             nada”!    De que adianta lutarmos contra tudo e todos? Mas eles se manteram fiéis e Jesus olha o esforço deles            e os elogia. Jesus conhecia aquela igreja e a amava muito. Quer ser uma igreja que agrada a Deus? Obedeça a                Sua Palavra.

  • A IGREJA QUE AGRADA A DEUS É UMA IGREJA QUE HONRA O NOME DE CRISTO (V.8B-9): Não negaste o meu nome (v.8b) – A igreja estava em meio a falsos religiosos, que o Senhor chama de “sinagoga de satanás”. Estes eram judeus que haviam rejeitado a mensagem referente à vida do Messias (cf Ap 2.9). Eram mentirosos enganadores. Embora confessassem adorar a Deus, sua oposição aos cristãos mostrava que, na verdade, estavam servindo a satanás. Porém, em meio à perseguição, os crentes de Filadélfia não negaram a Jesus. Naquela cidade o nome de Cristo era glorificado.

Conclusão: Podemos afirmar que a comunidade de Filadélfia era pobre, sem poder econômico ou político, social ou mesmo institucional, porém a comunidade era fiel ao projeto de Jesus, e confiava plenamente que Jesus iria dar a ela ajuda e proteção. Não havia motivos a temer. Sua força e poder estavam em guardar a palavra de Jesus. Das sete igrejas do Apocalipse Filadelfia foi uma das duas que não recebeu censura e sim elogios, era uma igreja padrão que conhecia a Jesus e não somente o conhecia, mas se pareciam com Ele. Era uma igreja pequena sim, mas nem por isto deixou de assumir a sua responsabilidade como servos de Deus, e através das suas vidas decidiram glorificar a Yeshua aquele que vive e reina para todo sempre, sendo modelos fiés Dele aqui na terra, esperando a recompensa da Vida Eterna. Amém