Estrada para Damasco: Lugar onde os propósitos são alterados.

Estrada para Damasco: Lugar onde os propósitos são alterados.

Texto: At 9: 1-5

E Saulo, respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo sacerdote.
E pediu-lhe cartas para Damasco, para as sinagogas, a fim de que, se encontrasse alguns deste Caminho, quer homens quer mulheres, os conduzisse presos a Jerusalém.
E, indo no caminho, aconteceu que, chegando perto de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu.
E, caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues?
E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões.

Início

Quantas vezes chegamos a planejar algo detalhadamente para o sucesso pessoal futuro, estudando exaustivamente sobre algo importante para a conquista de sonhos, e, chegamos até a vislumbrar as conquistas realizadas, porém, nada saiu como planejado? Isso já aconteceu? Nada foi alterado durante o percurso?

Na verdade, os planos de Deus não são nossos planos, como diz a palavra de

Deus em Isaías 55:9 – Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos.

Para Saulo, o lugar onde seus propósitos foram alterados era a estrada para Damasco, quase chegando lá.

Se você não quer que seus propósitos sejam alterados, não tome essa estrada.

Saulo não conseguiu encontrar quem ele perseguia, pois aquele a quem ele perseguia o encontrou primeiro.

Assim como Peniel foi o lugar de encontro e mudança de Jacó, a estrada para Damasco foi o lugar de encontro, aceitação e mudança de Saulo: Sempre há o livre arbítrio dado ao homem para escolher a mudança em Cristo ou continuar no antigo propósito, seja ele qual for.

Insistir no antigo propósito quando Deus tem  um propósito muito maior significa sofrer sem necessidade, significa ficar no mesmo lugar, significa estacionar no tempo e, pior ainda, recalcitrar contra aguilhões (Atos 9:15).

Os planos de Deus para Saulo eram outros, eram muito diferentes dos planos dele.
Eram planos de lutas, planos de enfrentamentos, planos de dedicação, planos de renúncia, planos de dor, planos de angustia, planos de prisão, porém, o mais importante de todos, planos de salvação!

Os planos de Deus para cada um de nós estão aí para alterarem os nossos, esperando apenas que tomemos a estrada para Damasco ( o caminho pessoal de cada um) para ativá-los em nós.

Talvez nos assustemos, talvez fiquemos sem entender nada e até talvez percamos a visão por um tempo, mas, após ouvirmos a voz de Cristo e caírem as escamas de nossos olhos, estarão abertas as portas do avivamento e um novo caminho se abrirá diante daquele que decidir aceitar tal transformação.

Basta apenas que digamos: Senhor, que queres que eu faça?

Por vezes, traçamos planos em nossos caminhos, planos de vitória que acabam se tornando decepções por querermos resolver tudo pela nossa força humana, porém, há caminhos que nos parecem de derrota, onde não há solução alguma, onde não conseguimos vislumbrar nenhuma fagulha de vitória, mas, sem que notemos, Deus vai trabalhando e transforma tudo! Com Deus, a derrota jamais será definitiva!

Temos em Isaías 53 : 6, 7 – Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de nós todos. Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca.

Quem poderia dizer que um homem preso na cruz ainda poderia ser o salvador de todos nós se até mesmo seus próprios discípulos duvidaram?

Onde é o teu caminho para Damasco?

Algumas faces de Paulo.

Aqui vemos algumas faces do apóstolo Paulo para entender melhor como ele aceitou e se deixou transformar exatamente na plenitude de sua vida pelo poder, direção e cuidados de Deus.

Saulo de Tarso: Um homem zeloso com respeito a obedecer às leis de Deus queria muito agradá-lo eliminando a “seita” dos cristãos.

Agia como se sua verdade fosse a única e mais verdadeira, arrogante, irredutível e determinado em executar os planos de Deus, segundo ele, é claro.

Isso te lembra alguém?

Às vezes erramos tanto e nossa teimosia nos leva a insistir em tal erro que chegamos, por um momento a acreditar que isso realmente é verdade e colocamos como se o próprio Deus nos tivesse ordenado, a ponto de dizermos dentro de nós: Deus disse, Deus quer…

Não paramos para ouvi-lo porque no fundo sabemos a verdade e temos medo de ouvir o que de fato é a vontade de Deus e ter de mudar nossa rotina sem graça e preguiçosa!

Porém, Saulo também foi um homem transformado pela vontade de Cristo através de seu chamado pessoal. No caminho para Damasco ele disse sim.

Paulo de Êutico: Apaixonado por Cristo, apressado em disseminar o seu evangelho.

Em Atos 20: 7,12 mostra-nos que enquanto em Trôade, havia urgência e determinação por Paulo para pregar as boas novas, já que  era o primeiro dia da semana e ele partiria no dia seguinte, ou seja, não havia tempo a perder e prolongou a pregação até à meia noite, onde um jovem chamado Êutico, tomado de sono, cai de uma janela do terceiro andar e é levantado  morto.

Paulo, por sua vez, vai até o jovem, inclina-se sobre ele, o abraça e diz: Não vos perturbeis que sua alma está nele e, após, partiu o pão, continuou pregando largamente até a alvorada e após, partiu.

Paulo de Êutico é o Paulo que cura em nome de Jesus mas não abre mão de revelar as boas novas, nada o detém, nada o perturba e nada o impede.

Não se impressiona com os louros da fama em função do poder derramado sobre ele pois, o viver é Cristo (Filipenses 1:21), o pregar a palavra é Cristo, o caminhar de encontro ao resgate de muitos é Cristo, o sorrir é Cristo, o derramar lágrimas é Cristo, o ser preso por causa desse nome é Cristo, o ser injustiçado por causa desse nome é Cristo, enfim, o respirar é Cristo.

Paulo entendeu isso e não se importava com mais nada em sua vida além de Cristo e de seu desejo pela salvação de todos.

Paulo de Trófimo: Conhecedor de suas limitações e obediente a Cristo incondicionalmente.

Sendo um homem cheio de fé e poder vindos do alto através do Espírito Santo, por meio de Cristo Jesus, porque ele não orou e curou a Trófimo em nome de Jesus Cristo?

2 Timóteo 4:20: Erasto ficou em Corinto, e deixei Trófimo doente em Mileto.

Paulo sabia que o poder não era seu e sim do mais alto e sublime trono, logo, entendia que, após sua oração e súplica ao Pai a respeito daquele que necessitava e se não houvesse a cura, não se inferiorizava por isso, tampouco menosprezava seu próprio ministério, mas sabia que a vontade de Deus era e sempre será soberana sobre a vontade humana.

O curar ou não curar não cabe ao homem, mas a Deus.

Ao homem cabe o orar e determinar em nome de Jesus Cristo e após isso, deixar em suas mãos todas as coisas.

Quem somos, então?

A quem podemos nos comparar?

Somos um pouco de cada um deles:

Às vezes o homem mal se achando bom em si mesmo e dono da razão, às vezes o homem apressado em disseminar as boas novas, tamanho ânimo momentâneo que nos arrebata de vez em quando, ou também, o homem ousado que foi usado muitas vezes por Deus e se encontrar incapaz natural e espiritualmente em fazer algo aparentemente simples para aquele que foi instrumento de milagres, mostrando nossa realidade de dependência total do Pai e de sua sabedoria e vontade.

CONCLUSÃO: Independente de como estejamos, não devemos nem podemos deixar de continuar a caminhar por esta “estrada para Damasco” onde seremos constantemente transformados pela vontade de Deus e onde nossos propósitos poderão ser alterados para o nosso próprio bem e para o bem daqueles aos quais o Senhor Deus também transformará através da vida de cada PAULO que existe dentro de cada um de nós!

Autor: Pr. Luiz