Uma porta aberta

Texto: Ap. 3:7-12 – E ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre:8 – Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome.9 – Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo.10 – Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra.11 – Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.12 – A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome.
Início: A porta serve para entrar e sai de um determinado lugar, então sempre ha uma expectativa em cada um de nós, quando avistamos uma porta, de que ela nos permita acessar um determinado lugar. Não sei vocês, mais quando eu vejo uma porta fechada, sempre bate uma curiosidade em saber o que tem do lado de dentro, ou do lado de fora, conforme o caso. Então temos que entender que esta é a função principal de qualquer porta, permitir o acesso ou a saída de um determinado lugar.
Situada em uma vasta colina entre dois vales férteis, regados pelo rio Hermus, Filadélfia era uma cidade estratégica, principal rota do correio imperial de Roma para o oriente. Oferecia uma passagem natural, uma porta aberta, por isso ela é também chamada de “a porta do oriente”.
O paganismo tinha em Filadélfia o seu culto ao deus sol com seus altares e seus templos. Porém, pelos fins do primeiro século o seu estado religioso cristão era florescente. Hoje a cidade chama-se “Allah Shehr”, nome turco que significa – Cidade de Deus. Na sexta carta dirigida a esta igreja, que hoje não existe mais, mas que a mensagem é muito importante para a igreja dos nossos dias, Jesus se alegra das atitudes daqueles crentes, porque apesar das perseguições e de estarem em meio a um povo pagão, mesmo assim estavam demonstrando fidelidade ao Senhor.
Em recompensa aos crentes de Filadelfia, o Senhor promete protege-los e colocar os seus inimigos prostrados aos seus pés, e além disto também oferece uma porta aberta diante deles, pois mesmo diante de todas as dificuldades, os fiéis que formavam as suas fileiras, esquadrinhavam profundamente seus corações, consagravam-se diariamente a Deus e suas vidas transbordavam de paz, gozo e amor em Jesus.
Entendemos que aquela autoridade que Deus conferira a Davi, ao escolhê-lo para reinar sobre o Seu povo, Israel, Deus reverterá essa autoridade a Jesus, para ser o verdadeiro Rei de quem Davi era um símbolo.
O Senhor se declara o Salvador, aquele que tem a “chave de Davi”. Chave é emblema de autoridade. Jesus disse: “Foi-Me dada toda a autoridade no céu e na terra.” Mateus 28:18. Estas palavras foram proferidas quando o Senhor Jesus apareceu aos Seus discípulos um pouco antes de Sua ascensão, a fim de comissioná-los a ir e fazer novos discípulos. Então podemos entender que esta chave pode abrir para aqueles cristãos as novidades do Senhor e um novo nível espiritual, que o inimigo não seria capaz de fechar.
Deus tem algo novo para nós e ele decidiu abrir esta porta em nossas direção, então entremos com confiança, crendo que Ele nos está comissionando para sermos usados para proclamar e testemunhar o seu Reino aqui nesta terra.
Conclusão: os crentes da igreja de Filadelfia demonstraram em um ambiente hostil e perigoso fidelidade ao Senhor Jesus e ao Reino de Deus. Será que ao olhar para nós o Senhor pode testemunhar da nossa fidelidade ao nome Dele? Será que estamos sendo achados dignos de sermos chamados de embaixadores do Reino Dele? Que o exemplo do irmãos da igreja em Filadelfia fale forte aos nossos corações e que possamos assumir a responsabilidade que nos foi confiada por Jesus “Ide e fazei discípulos de todas as nações”. Amém