Não somos órfãos

image_pdfimage_print

Números 20: 23 ao 29

          O livro de Números (Bamidbar), compõe a Torá, sendo que é o quarto livro, onde recebeu esse nome que em hebraico significa “no deserto”. Isso porque nele se contem inúmeros censos realizados em Israel, descritos ao longo do livro. Seu conteúdo é dividido em 03 (três) partes:

  1. Censo e as disposições das tribos, consagrações dos levitas para o serviço.
  2. Dificuldades enfrentadas no deserto pelo povo em seu caminho à terra prometida, sendo nessa parte a história que contaremos hoje.
  3. Terminando o livro com a descrição da chegada às margens do Jordão.

Se lermos os versos anteriores, percebemos que Arão e Moises desobedeceram a Deus (não mandaram a rocha dar água e sim bateram nela) e também tiveram que desviar o caminho, pois o rei de Edom não os deixou cortar caminho por suas terras.

Nesse desvio, Deus pede que Arão e Moises subam ao monte para que acontecesse uma das histórias mais bonitas, trágicas e incríveis da Bíblia Sagrada, que ocorreu cerca de 1250 anos antes do nascimento de Jesus Cristo, porém impactou uma geração e sentimos seus reflexos até hoje, em nossas vidas. Arão ainda vivia, quando Moises colocava as suas vestes em Eleazar, somente depois de findo esse “ritual”, Arão morre o que marca o desaparecimento de uma geração. A geração antiga já havia perecido; quase inteira em 40 anos, tinha havido uma substituição total das pessoas de 20 anos para cima. Arão aqui representava a aplicação espiritual da Lei de Deus para o povo, ora, tudo que Arão deveria fazer estava pautada na Lei, ele não poderia dar um passo, sem que estivesse previsto aquele passo na lei. Ou seja, o jeito como ele comia, se vestia, vivia, tudo era manifestação do desejo de Deus para o Sacerdote.

          Arão representava em número, gênero e grau, os mandamentos e a lei do Senhor em toda a sua extensão. Quando se olhava para Arão, se olhava para o que Deus deixou como norma de conduta sacerdotal, legal, jurídica. Ou seja, Arão poderia dar liberdade, poderia conceder cobertura de pecados, poderia interpretar a voz de Deus em um julgamento.

Fato é que, ao subir aquele monte, Arão estava ciente do que aconteceria com ele, ele morreria ali, uma vez que Deus havia dito isso para ele e para Moises. E aqui podemos fazer uma relação de todas as profecias que temos na bíblia a respeito de Jesus Cristo, isso porque as profecias vem da parte de Deus, são voz de Deus ao povo, isso é uma profecia, ou seja, Deus avisou o que aconteceria com antecedência.

Deus aqui está avisando que haveria uma troca, o velho ficaria, para que o novo acontecesse, foi o que ocorreu com Jesus no antigo testamento inteiro, Deus anuncia a vinda de um Salvador, Remidor, Justificador, e afins, simbolizando o fim de um modo de pensar, viver e eternizar.

Isso porque os Israelitas não conseguiram viver de acordo com o que lhes foi dado, e esse viver não cabe somente no sentido de “não conseguiram cumprir”, cabe no sentido literal, viver, ter vida, pois o povo de Israel saiu de uma cultura avançada em termos de regimento social e viveu como se assim fosse a vontade de Deus.

O povo queria uma lei, ordenamentos, isso porque queria copiar as outras nações que também tinham leis e regras de conduta, não queriam a revelação divina somente quando Deus se manifestasse, queriam algo para se pautarem em relação ao futuro dos seus dias. Queriam uma segurança (jurídica) e não é isso que queremos muitas vezes de Deus? Uma previsão de futuro e uma segurança. Não confiamos no: amanhã eu te falo; vai dirigindo ai que eu vou te falando o caminho.

Mas a bíblia nos diz que o povo, Arão, Moises, todos, não conseguiram cumprir a lei “se rebelaram”, isso porque a lei representa o caráter de Deus, tudo que a lei expressa, expressa o caráter de Deus, como ele agiria e de fato é impossível cumprir a lei e ter o caráter de Deus através do cumprimento da lei.

Roupas na bíblia sempre se refere a autoridade daquele que a usa, ou seja, representar a Deus e a maneira que Deus vê as coisas lhe dá uma certa autoridade e poder. Roupas aqui, como eu já disse, representam o caráter de Deus, representam a lei, sendo que Deus é imutável, essas roupas ficam e permanecem, independente de quem as use. Arão vai morrer e as roupas ficarão.

Então podemos concluir que, Arão representa a era da lei, a geração que se submeteu a ordenamentos que precisavam ser cumpridos a fins de conquistar coisas da parte de Deus e quando essas vestes são passadas ao seu filho, vemos que uma geração está passando para que uma nova nasça em poder e autoridade.

A geração da Graça de Deus, uma nova geração espiritual, fazendo menção a obra de Jesus na cruz do calvário, essa passagem representa a cruz.

          Não podemos esquecer que há um mediador, entre o pai e o filho nessa história, Moises, que representa a manifestação do Espírito Santo através da obra de Jesus Cristo, que tira a lei e a coloca no Filho, aplica a lei ao filho, em todos os sentidos, isso porque Jesus é a expressão do caráter de Deus, Jesus é o cumprimento da Lei e dos profetas.

Jesus não só cumpriu as pequenas ordenanças corriqueiras, como também cumpriu todas as ordenanças de expiação de pecados. Ele cumpriu a Lei, Ele se revestiu da Lei, para que nós pudéssemos nos revestir da Graça de Deus. Ele cumpre a Lei em nosso lugar e tira o pecado do mundo. Antes o pecado era somente coberto pela obediência a lei, hoje o pecado foi tirado pelo cumprimento de Jesus.

          Ou seja, O Espírito Santo, que intercede por nós com gemidos inexprimíveis, tira a obrigação da lei de nós e as coloca em Jesus Cristo. Ele tira a necessidade da Lei de nós e a cumpre em Jesus Cristo, todo o tempo, presente, passado e futuro. O Espírito Santo pega o seu pecado passado, presente e futuro e o lança em Jesus.

          Não importa o que você faça de bom na vida, na vida cristã, na vida secular, na vida em si, você nunca poderá ter poder para cumprir a lei, que é expiar os seus pecados por si só, se livrar deles de maneira definitiva por si só, somente o Espírito Santo trabalhando em você pode fazer isso, porque pela Cruz, Jesus, tirou o pecado e não você.

          Quando você não entende isso, você vive com pensamentos de que Deus está punindo você. Muitos dos que passam por enfermidade hoje, quase na totalidade, pensa assim: “Eu devo ter feito algo errado, Deus está me castigando”. Meu amado, isso é mentira, Deus não castiga mais ninguém, Deus castigou Jesus, para que você não fosse castigado.

          A nossa Alma é uma fonte de conhecimento, isso porque através dos 05 sentidos que temos tenho acesso ao conhecimento, sendo a alma dotada de mente, vontade e emoções. A Alma é influenciada pelas circunstâncias (desemprego, luto, doenças, abandonos e etc).

          Nosso Espírito é outra fonte de conhecimento e é aqui que o Espírito de Deus se revela a nós, Ele habita em nosso espírito, aqui que ele nos faz renascer em Cristo para uma nova vida, renascer na Graça de Deus.

Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.Rm. 12:2: 

 Respondeu Jesus: “Digo-lhe a verdade: Ninguém pode entrar no Reino de Deus, se não nascer da água e do Espírito.João 3:5

          A renovação da nossa mente é conseqüência do nascimento pelo Espírito, isso é feito no nosso espírito, sendo que, ao contrário da alma, nosso Espírito não pode ser influenciado pelas circunstâncias, ele influencia as circunstâncias ao nosso redor, de dentro para fora, através do Espírito Santo que habita em nós.       

Quando minha alma se alinha com meu espírito, a Bíblia fala que quando dois concordarem lhe será concedido, eu irei transpor barreiras, eu irei “voar” no Espírito. Veja como a nossa batalha principal não é contra satanás e seus demônios e sim contra nossa alma, nosso maior campo de batalha é a nossa mente.

Toda vez que a minha mente decide derrota, eu sou derrotado, o contrário é verdadeiro. Precisamos crer com o espírito e não com a alma, a Bíblia nos diz que com o coração nós cremos e com a boca eu confesso, admito. Muitas vezes estamos crendo com a alma. Pequenas mentiras, tem feito de você um oprimido do diabo, você não está vivendo o que Deus tem para você, porque você acredita nas mentiras do inferno que te prendem, que te aprisionam em uma maneira de pensar e viver que não condiz com a qualidade de FILHO DE DEUS que você é.

          A bíblia está falando, acredite. Nós temos domínio sobre tudo que Deus criou, em Cristo. Não estamos debaixo da lei, esforço próprio, mas estamos debaixo da graça e por isso o pecado não domina nas nossas vidas.

          Nossas obras não são mais mortas e sim vivas, pois são obras pautadas em gratidão ao o que Jesus fez em nós e por nós, não mais agimos para ter algo e sim para agradecer algo. Não podemos agir com pensamento de troca, isso vem da lei. Faz com que você se sinta um servo e não FILHO de Deus. O problema é que você recebe a Graça de Deus em sua mente e não está recebendo ela em seu Espírito, a influencia será de dentro para fora.

          Enquanto você não se vestir dessa identidade, você não viverá o que o seu Pai tem para você. Enquanto você necessitar de um pai terreno, você não verá Deus como Pai.   

Meus amados, minha experiência de vida foi muito conturbada nessa área, perdi meu pai muito cedo e desde então eu venho buscando um pai para mim. Vivendo para provar o meu valor para as pessoas, buscando aprovação e isso é normal de quem não tem uma figura de um pai, porque é isso que um pai faz, ele nos aprova.

Quando Eva comeu do fruto, o diabo destruiu algo que ele invejava muito na criação de Deus, que é o relacionamento com o PAI, porque precisamos de um pai em nosso crescimento nos dizendo quem a gente é.

Eu sempre criei a imagem de um pai para seguir em pessoas que não são meus pais, porém em algum momento a vida nos mostra que não somos o filho daquela pessoa e começamos a nos sentir inseguros, incapazes novamente.Meu amado, você precisa descobrir quem você é em Deus, e em Deus você é Filho, você precisa descobrir essa aprovação de Pai em Deus, porque paternidade é isso, é sobre ser aprovado.

Você não pode ter acesso a vida de Deus se não reconhecer que é filho, Deus não tirou nenhum pai dos que eu tive, a vida me proporcionou isso e o coração do Pai não se satisfez nessa situação e cada vez que eu escolho uma figura diferente para me aprovar, Deus gostaria que essa figura fosse Ele.

Jesus não nos redimiu para sermos servos e sim para termos a imagem de Deus, a imagem do Pai, a imagem de filhos, porque é isso que Moises fez, tirou a identidade sacerdotal do pai e passou ao filho e é isso que Jesus fiz, nos deu identidade, somos Filhos de Deus.

“Mas amigos, é exatamente quem somos: filhos de Deus. E isso é apenas o começo. Quem sabe como acabaremos! O que sabemos é que quando Cristo for revelado abertamente, nós o veremos e, ao vê-lo, tornar-se-ão semelhantes a ele. Todos nós, que aguardamos sua vinda, estamos prontos, com a brilhante pureza da vida de Jesus como modelo para o nosso. Que amor maravilhoso o Pai nos estendeu! Apenas olhe para isso – somos chamados filhos de Deus! Isso é quem realmente somos. Mas também é por isso que o mundo não nos reconhece ou nos leva a sério, porque não tem ideia de quem ele é ou do que ele está fazendo. ” 1 João 3: 1-3 MSG

Somos filhos, é o que diz a palavra. Isso significa que temos comunhão, ele é nosso pai e mataram Jesus porque ele dizia ser filho de Deus. Ele chamava Deus de ABBA.

Eleazar perde seu pai na lei, na graça Deus perde seu filho para ganhar muitos outros. Jesus morreu para que sejamos filho, vamos fazer valer a pena, isso é direito nosso, isso é nossa herança, isso nos pertence em Cristo Jesus.

O próprio Espírito testemunha ao nosso espírito que somos filhos de Deus. Se somos filhos, então somos herdeiros; herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo, se de fato participamos dos seus sofrimentos, para que também participemos da sua glória. Considero que os nossos sofrimentos atuais não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada. Romanos 8:16-18. Amém

Autor: Zanini