- Comunidade Evangélica Siloé - http://comsiloe.com.br/12 -

Uma Igreja no padrão

Texto: Apocalipse 3:7-13 – E ao anjo da igreja que está em Filadélfia escreve: Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre:8 – Conheço as tuas obras; eis que diante de ti pus uma porta aberta, e ninguém a pode fechar; tendo pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome.9 – Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem: eis que eu farei que venham, e adorem prostrados a teus pés, e saibam que eu te amo. 1º parte

10 – Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra.11 – Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.12 – A quem vencer, eu o farei coluna no templo do meu Deus, e dele nunca sairá; e escreverei sobre ele o nome do meu Deus, e o nome da cidade do meu Deus, a nova Jerusalém, que desce do céu, do meu Deus, e também o meu novo nome.13 – Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.

A cidade – Filadélfia foi fundada pelo rei de Pérgamo, Átalos, cerca de 140 a.C. Este foi conhecido por sua lealdade ao seu irmão, dando assim origem ao nome da cidade (Filadélfia significa “amor fraternal”). A região produzia uvas, e o povo especialmente honrava a Dionísio, o deus grego do vinho. Localizava-se num vale no caminho entre Pérgamo e Laodicéia. Filadélfia foi destruída por um terremoto em 17 d.C. e reconstruída pelo imperador Tibério. Entre outros nomes que recebeu, devido ao governo romano. Durante o reinado de Vespasiano, foi também chamada de Flávia (nome de sua mulher). Hoje, Filadélfia corresponde à cidade turca de Alasehir, situada a 130km ao leste de Esmirna.

A igreja – Somente em Apocalipse (1.11; 3.7) faz referência a Filadélfia. Das sete igrejas do Apocalipse, as quais Jesus diz a João para enviar cartas (Ap 2 -3), esta igreja e a igreja de Esmirna não receberam nenhuma crítica de Cristo. Em toda carta Jesus não expressa nenhuma palavra de reprovação, mas de encorajamento.

Jesus se apresenta a essa igreja como “Santo e verdadeiro” (v.7). Ele tem os mesmos atributos do Pai. Assim Cristo declara sua divindade como Deus. É aquele que tem a “chave de Davi” (v.7b) – Jesus não é só fiel a sua Palavra, ele também tem o poder de abrir e fechar a cidade de “Jerusalém”: “Porei sobre o seu ombro a chave da casa de Davi; ele abrirá, e ninguém fechará, fechará, e ninguém abrirá.” (Is 22.22).  Qual Jerusalém? “Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo.”(Ap 21.2). Só Jesus abre as portas do Reino de Deus!

A igreja de Filadélfia se tornou um exemplo de igreja fiel e agradável a Deus.

Vejamos algumas características que nos ensinam a agradar a Deus:

         Eu conheço as tuas obras, e o teu amor, e o teu serviço, e a tua fé, e a tua paciência, e que as                   tuas   últimas obras são mais do que as primeiras), Jesus sabe tudo o que acontece na Sua igreja.                      “Tenho posto diante de ti uma porta aberta” e ninguém poderia fechar essa porta (cf v.8) – Jesus tem a            chave da cidade de Davi, assim aquele que é fiel ao Senhor tem uma porta aberta. Eles deveriam obedecer sem             medo, pois Jesus mesmo é quem tinha plantado aquela igreja para levar a Sua salvação aos gentios (At 14.27).              Aquele campo era uma porta aberta que ninguém poderia fechar! Deus é soberano na obra da salvação.

          Em Filadélfia havia uma igreja pequena, mas fiel ao Senhor. Poderiam até pensar:“nós não somos                             nada”!    De que adianta lutarmos contra tudo e todos? Mas eles se manteram fiéis e Jesus olha o esforço deles            e os elogia. Jesus conhecia aquela igreja e a amava muito. Quer ser uma igreja que agrada a Deus? Obedeça a                Sua Palavra.

Conclusão: Podemos afirmar que a comunidade de Filadélfia era pobre, sem poder econômico ou político, social ou mesmo institucional, porém a comunidade era fiel ao projeto de Jesus, e confiava plenamente que Jesus iria dar a ela ajuda e proteção. Não havia motivos a temer. Sua força e poder estavam em guardar a palavra de Jesus. Das sete igrejas do Apocalipse Filadelfia foi uma das duas que não recebeu censura e sim elogios, era uma igreja padrão que conhecia a Jesus e não somente o conhecia, mas se pareciam com Ele. Era uma igreja pequena sim, mas nem por isto deixou de assumir a sua responsabilidade como servos de Deus, e através das suas vidas decidiram glorificar a Yeshua aquele que vive e reina para todo sempre, sendo modelos fiés Dele aqui na terra, esperando a recompensa da Vida Eterna. Amém

Poder para fazer

Posted By Apóstolo Moises On In Estudos para as Células,Palavra | Comments Disabled

Texto: Efésios 3: 14. Por esta razão dobro os meus joelhos perante o Pai, 15. do qual toda família nos céus e na terra toma o nome, 16. para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais robustecidos com poder pelo seu Espírito no homem interior; 17. que Cristo habite pela fé nos vossos corações, a fim de que, estando arraigados e fundados em amor, 18. possais compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, 19. e conhecer o amor de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios até a inteira plenitude de Deus. 20. Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera, 21. a esse seja glória na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre. Amém.

Início: Não sei quanto tempo de caminhada cristã ou espiritual você tem tido e nem quantas experiências você já teve com o espírito Santo de Deus, o fato é que a gente acaba cometendo alguns erros ou muitos erros, pois acabamos com uma motivação errada, querendo receber muito poder, mas este poder acaba não tendo o destino correto ou o destino que Deus tem para ele através de cada um de nós.
Ex. Do que adianta eu em face de uma circunstância extrema e perigosa, ter uma arma de grande calibre ou poder, se eu não saber usa-la no momento certo?
-Do que adianta eu, ter na garagem da minha casa uma Ferrari ou um Porsche do ano, e não ter combustível para abastece-lo?
Nos dois casos eu não teria vantagem nenhuma nas situações que se apresentaram diante de mim. Isto acontece também em nossa vida espiritual, quando não sabemos usar aquilo que o Espírito Santo derramou em cada um de nós.
1-Poder – Em primeiro lugar este poder deve ser derramado em minha vida, eu devo ser um receptor deste poder, não pode ser algo razo, algo distante, tem que ser algo substancial, a minha vida deve mostrar os sinais deste poder através do fruto do Espírito: Gl. 5: 22. Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade. 23. a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei. 
Se este poder não fizer parte de mim, tudo que eu fizer ou fazer para os outros será um discurso vazio(Gl. 6: 17. Daqui em diante ninguém me moleste; porque eu trago no meu corpo as marcas de Jesus). Qual é a marca que você traz do evangelho? O Ap. Paulo diz que ele tem em seu corpo a marca do evangelho de Cristo, através de açoites, prisões, falsas acusações, e muitas outras marcas. E nós amados o que temos para mostrar daquilo que Cristo fez em nós? Este poder tem que fazer parte de mim, poder prá que?
Prá suportar em amor, para agir em amor, para sofrer em amor, para me mover em amor, para viver uma vida com sentido, com valor ao reino daquele que nos chamou das trevas, para o reino da sua maravilhosa luz. Não se engane meu amado no reino da maravilhosa luz, tudo é as claras, nada fica em oculto que não seja revelado. Para que? Para que sendo movidos, transformados, enxarcados, cheios deste poder, possamos ai sim ministrar dele a muitas vidas.
2-Fazer– Jesus nos disse que em seu nome faríamos obras maiores das que Ele fez, e o que Ele fez? Curou, libertou, ressuscitou e principalmente salvou muita gente, e nós que estamos fazendo com este poder que já foi derramado em cada um de nós? Você numa situação difícil tem liberado este poder? As pessoas tem testemunhado da fé que move no teu coração? Você tem sido um agente de transformação?
Como está a tua casa, se Deus hoje pedisse pra que você colocasse em ordem a tua casa, assim como ele pediu através do profeta Isaias para o rei Ezequias(II Rs. 20:1 – NAQUELES dias adoeceu Ezequias mortalmente; e o profeta Isaías, filho de Amós, veio a ele e lhe disse: Assim diz o SENHOR: Põe em ordem a tua casa, porque morrerás, e não viverás), qual o trabalho que você teria?
Entenda uma coisa este poder está em você, te deixa com uma responsabilidade é de usar pra que muitas pessoas sejam abençoadas através Dele então não fique atrás das bênçãos, seja você uma benção e o resto é consequência da tua fidelidade.
Conclusão: Este poder que já foi derramado a nós produz marcas em cada um de nós, marcas do evangelho que é boas novas, marcas de transformação, marcas de nova criatura, marcas de ousadia, de autoridade. Tem crente que acha que autoridade é falar mais grosso, mais forte, autoridade é ter em sua vida as marcas de Cristo, é ter em suas veias o sangue de Cristo, é padecer por amor a Ele, é entender que já temos este poder em nossas vidas(Jo.14:12 – Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai), é reconhecer que tudo é Dele, por Ele e para Ele e sem Ele nada acontece.
Ser cristão é estar no padrão, ser cristão é ter em sua vida o poder de Yeshua, para que com este poder muitas vidas sejam transformadas.
Que este poder que habita em tua vida, te mova a fazer aquilo que o Espírito Santo quer que você faça. Amém.

Andando pela Fé

Posted By Apóstolo Moises On In Estudos para as Células,Palavra | Comments Disabled

Texto: Mt. 26:58 – E Pedro o seguiu de longe, até ao pátio do sumo sacerdote e, entrando, assentou-se entre os criados, para ver o fim.

Início: Na semana passada vimos que apesar de ser um discípulo bem próximo a Jesus, o apóstolo Pedro mesmo prometendo muitas coisas, no momento crucial na vida de Jesus ele resolveu cuidar da sua própria pele, teve medo e foi ser mais um no meio da multidão.

Pedro seguiu Jesus de longe até a casa do Sumo Sacerdote Caifás, porque conforme o texto acima nos diz “Ele foi para ver o fim”

Pedro foi usado com tanta revelação do Espírito Santo, para declarar verdades do Reino de Deus para todos nós, mas ainda vivia uma vida de altos e baixos, porque tudo aquilo que falava, agora se tornava em covardia, medo e desprezo por tudo aquilo que Jesus por mais de três anos tinha ministrado ao coração dele e dos outros discípulos, e agora Jesus está sendo julgado, e não teria nenhuma chance, não teria advogado de defesa, não teria Habeas Corpus, Liminar, ou embargo infringente para dar uma basta a aquela situação.

Mesmo que isto estivesse a disposição naquele tempo, Jesus não abriria mão de morrer pela humanidade e demonstrar o seu amor sacrifical por cada um de nós, que temos Ele como autor e consumidor da nossa fé.

Pedro demonstra no julgamento e crucificação de Jesus, que tudo que ele falava, era pura teoria, pois estava alí escondido em meio a multidão, para ver o fim das coisas, mas Jesus já tinha dito que a sua morte era apenas o começo, pois através da sua ressurreição e ascenção ao céu Ele estava abrindo um novo e vivo caminho para todos nós e é esta certeza que deve encher o nosso coração, se Jesus morreu, ressuscitou e subiu aos céus, nós também através Dele temos a certeza que um dia gozaremos da Vida Eterna que Deus através de Jesus, preparou para todos nós.

Pedro decidiu voltar a sua velha vida, e como era um líder nato, outros discípulos também foram pescar com ele(Jo.21). Mas Jesus ressuscitou e foi buscar a consolidação de Pedro e dos outros discípulos. Eles estavam desanimados e desistidos, porque Jesus tinha morrido. Passaram a noite toda pescando e não tinha pescado nada, mas Jesus lançou uma Palavra e eles creram e houve um grande milagre, uma pescaria sobrenatural.

Ali eles entenderam que era Jesus que estava na praia, e quando se aproximaram, Jesus já tinha preparado peixes em brasa e pães para alimentá-lo; sempre a melhor comida vem da parte do Senhor. Decida hoje mesmo comer da boa comida que o Senhor nos oferece, coma do pão vivo que desceu do céu, coma da comida que nunca perecerá. Hoje é o dia da tua consolidação, pois Jesus está contigo em todas as situações. Amém

Seguindo Jesus de longe

Posted By Apóstolo Moises On In Estudo para os 12,Estudos para as Células,Palavra | Comments Disabled

Texto: Mt:26:57-58 – E os que prenderam a Jesus o conduziram à casa do sumo sacerdote Caifás, onde os escribas e os anciãos estavam reunidos.58 – E Pedro o seguiu de longe, até ao pátio do sumo sacerdote e, entrando, assentou-se entre os criados, para ver o fim.

Início: De todos os discípulos de Jesus Pedro sempre foi o discípulo que seguia a Jesus de perto, pelo menos na teoria, pois era aquele com personalidade sanguínea, que não se contentava em apenas pensar, ele tinha que expressar os seus sentimentos, mas no momento mais difícil da vida de Jesus Pedro temeu depois que Cristo foi levado para a casa do sumo sacerdote, Pedro se acovardou e seguia a Jesus de longe. Sua coragem desvaneceu. Sua valentia tornou-se covardia. Seu compromisso de ir com Jesus para a prisão e a morte foi quebrado. Sua fidelidade incondicional ao Filho de Deus começou a enfraquecer. Não queria perder Jesus de vista, mas agora já era demais, tudo aquilo que Jesus havia dito sobre a sua missão estava se cumprindo, tinha passado da teoria e agora era algo prático, sim ele amava o mestre, mas agora sua pele estava em risco, e também era muito arriscado tentar fazer alguma coisas e não estava disposto a assumir os riscos de sua ligação com Ele.

1.Os perigos de não seguir a Jesus de perto: O evangelho é o poder de Deus para todo aquele que crê e não seguir a Jesus de perto traz grandes prejuízos tanto para obra quanto para a pessoa que não se aproxima de Jesus. Quantas bênçãos esses deixam de receber.
Quem segue a Jesus a distancia demonstra desinteresse, mostra satisfação em viver uma vida desintegrada das coisas do reino de Deus, quer mais não quer, ou melhor diz que quer, mais as suas atitudes mostram que não querem. Correm o perigo de ficar longe da proteção divina e ate mesmo da salvação, pois são facilmente confundidos com a multidão. Em Ef. 2:6 – E nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus; então Ele nos salvou e se estamos assentados com Ele, não podemos estar longe e sim perto, recebendo tudo aquilo que Ele nos prometeu.

2.Quando é que estou seguindo Jesus de longe?: É quando não me envolvo com a obra de Deus. (é quando fico em cima do muro pra ver no que vai dar, ainda diz eu não sou o pastor)
É quando não vivo uma vida de santificação, minhas palavras até podem ser de comprometimento, mas não passa de envolvimento.
É quando sou indiferente pras necessidades da igreja.(não dizima. Não oferta e não contribui), com quase nada ou nada mesmo.
É quando participo dos cultos semanalmente ou mensalmente e acho que é suficiente, não busco mais intimidade com Ele no meu lar, na minha vida.
É quando não me sensibilizo com o sofrimento da igreja devido o abandono e desinteresse de muitos. Aí chego para o meu líder e digo, é as coisas estão indo de mal a pior, se o Senhor não fizer nada, vai acabar.

É quando os meus interesses valem mais que os interesses de Deus, e a minha vida é prioridade para mim.(Mt:8:21-22)(Lc:9:59-61) ninguém ira se justificar perante o senhor(Mt:25:24-29) o que recebeu um talento tentou se justificar perante o senhor mas o senhor não recebeu a sua justificativa. Quando Jesus olhou para Pedro, ele se lembrou daquilo que Jesus tinha lhe dito: “Antes que o galo cante, três vezes me negarás” Meu amado(a) o galo vai cantar, não espere o canto do galo, se arrependa e busque a face do Senhor.

3.Em nossas igrejas tem os crentes Nicodemos e José de arimatéia: José de arimatéia e Nicodemos eram homens influentes mas covardes e medrosos.(Ap:21:8). Seguiam a Jesus de longe e as escondidas. Não queriam se expor preferiam ficar no anonimato, porque eu? Tem muitos aqui e alí, que não vão perder nada, pois nem tem nada a perder.
Não queriam perder suas posições e influências. Não queriam ser criticados Se envergonhavam do filho do carpinteiro. (Mc:8:38- Porquanto, qualquer que, entre esta geração adúltera e pecadora, se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai, com os santos anjos.) mas aquele que se envergonhar de mim eu também me envergonharei dele diante do meu pai que está nos céus), A coisa estava complicada, se pegaram Ele e agora queriam mata-lo, o que acontecerá comigo?Tinham medo de ser mortos pelos judeus.
Arimatéia, diz a Bíblia, “esperava o reino de Deus” (Marcos 15.43- Chegou José de Arimatéia, senador honrado, que também esperava o reino de Deus, e ousadamente foi a Pilatos, e pediu o corpo de Jesus), mas mesmo assim não tinha coragem de manifestá-lo. É triste que muitos queiram desfrutar o Reino, viver as bênçãos do Reino, assentar-se no Reino, mas não estão dispostos a assumirem suas responsabilidades na obra de Deus, estão alheios e covardes diante de tão grande chamado.
Acompanhavam o ministério de Cristo, presenciaram curas, ouviram seus ensinamentos, mas à surdina, na penumbra as escondidas.
Conclusão: Por mais que Pedro quisesse se disfarçar, assentando-se à roda dos escarnecedores naquela fogueira, não havia como negar: “Você é um deles, porque o teu modo de falar o denuncia” (Mt.26.73). É vergonhoso esconder-se, e mais ainda negá-lo! Pessoas assim passam a vida seguindo Jesus de longe (Lc.22.54- Então, prendendo-o, o levaram, e o puseram em casa do sumo sacerdote. E Pedro seguia-o de longe), são discípulos por conveniência e que não estão dispostos a carregar a cruz. Para estes a Palavra de Jesus nesta noite é, se creres verás a glória de Deus. Renuncie a sua própria vida, tome a tua cruz e siga bem pertinho Dele, juntinho com Ele. A multidão é cega, a multidão não tem discernimento nenhum, a multidão escolheu a Barrabás, um assassino, um ladrão e preferiu crucificar o nosso salvador, o filho de Deus encarnado. Quem você decide escolher nesta noite? Amém.

Libertando-se de decretos malignos

Posted By Apóstolo Moises On In Estudo para os 12,Estudos para as Células,Palavra | Comments Disabled

Texto: Rm. 7:12/20- E assim a lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom.
Logo tornou-se-me o bom em morte? De modo nenhum; mas o pecado, para que se mostrasse pecado, operou em mim a morte pelo bem; a fim de que pelo mandamento o pecado se fizesse excessivamente maligno.
Porque bem sabemos que a lei é espiritual; mas eu sou carnal, vendido sob o pecado.
Porque o que faço não o aprovo; pois o que quero isso não faço, mas o que aborreço isso faço.
E, se faço o que não quero, consinto com a lei, que é boa.
De maneira que agora já não sou eu que faço isto, mas o pecado que habita em mim.
Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem.
Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço.
Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim.Romanos 7:12-20 [1]

“Pois o querer o bem está em mim, não o efetuá-lo.

Início: Essa é a expressão de angústia de um homem que Luta constantemente contra seus desejos mais secretos, porém condenáveis, desejos que rondam sua mente, desejos de um passado de perseguição e maldade.

Temos nós assimilado o mal que há no mundo, mesmo dentro da igreja, onde se prega o amor incondicional, a paz, e a caridade?
O mal que há no mundo tem prevalecido, quando deveríamos tomar a forma e Deus!
O mal já nos parece normal tamanha a carga de informações desencontradas e em desacordo com a palavra de Deus e o bem não passa de algo antigo e ultrapassado.
Porém, a barganha com esse mal, ao qual nos acostumamos e que, não nos parece tão letal assim, nos leva a um suicídio espiritual.
Deixar a fé de lado (como se fosse possível), como alguém que troca de roupa e deixa sua roupa de cristão em um cabide qualquer para, após efetuar o mal planejado e desejado que há em si, para depois disso, voltar e tomar sua roupa de cristão de volta e vesti-la novamente, digo que é quase impossível conseguir tal feito sem ajuda de alguém que continua na fé inegociável.
Mas, graças ao amor incondicional do Pai, Ele sempre estará esperando com um anel e uma sandália, guardados exclusivamente pala o filho que viu o mal do mundo de perto e percebeu que não pode viver longe do Pai!
Os pequenos atos de corrupção da mente nos levam a corromper o coração e isso nos afasta cada vez mais da presença de Deus, o qual é incorruptível e não aceita o pecado por menor que seja.
Uma mentirinha não deixa de ser mentira e um pecadinho continua sendo pecado.

Os decretos de fé.
São os decretos inegociáveis lançados sobre a vida do cristão, o qual, através dele rejeita toda e qualquer oferta maligna.

No livro de Atos 7: 54,60 , Estevão nos dá uma linda prova disso. Aquele que não negociou sua fé, nem mesmo em meio a injustiças lançadas contra ele, a qual o levaria a morte mais tarde, na bíblia relatada como “dormir”.
Ele foi instituído a diácono para assistir às viúvas, porém, apesar de ser um serviço honrado, para ele era muito pouco, ele queria mais e cheio da graça e poder (Atos 6:8), fazia prodígios e grandes sinais entre o povo.
O decreto de fé na vida de Estêvão era tão grande que, durante sua execução e em meio a sua morte iminente, ele visualiza o céu, a glória de Deus e Jesus Cristo que está à sua direita.
Em meio à morte ele visualizou a vida eterna!
Tornara-se ali um verdadeiro imitador de Cristo: “Senhor, não lhes impute esse mal”, conforme Lc 23,34.

Se nosso coração é corrompido diariamente pelo mal e, temos dificuldade de crer que podemos reverter isso, devemos lembrar-nos do apóstolo Paulo que, enquanto Saulo, tinha em seu coração um decreto maligno de perseguição e morte e, após a morte de Estêvão, a qual ele mesmo consentia, houve um encontro com Cristo que escolheu a Saulo para decretos de fé, para propagação de seu amor!
O Senhor Jesus nos quer assim como estamos.
Aceite isso urgente e deixe que a transformação é por conta Dele! Amém

Autor: Pr Luiz

 

 

Jesus o pão nosso de cada dia

Posted By Apóstolo Moises On In Estudo para os 12,Estudos para as Células,Palavra,Sem categoria | Comments Disabled

Texto: Êxodo 16:28-31- Então disse o SENHOR a Moisés: Até quando recusareis guardar os meus mandamentos e as minhas leis?29 – Vede, porquanto o SENHOR vos deu o sábado, portanto ele no sexto dia vos dá pão para dois dias; cada um fique no seu lugar, ninguém saia do seu lugar no sétimo dia.30 – Assim repousou o povo no sétimo dia.31 – E chamou a casa de Israel o seu nome maná; e era como semente de coentro branco, e o seu sabor como bolos de mel.

Início: Desde o momento que Deus decidiu ter um povo exclusivamente seu, para que mantivesse relacionamento com Ele, com integridade e intensidade, tudo que temos em sua Palavra é que esse propósito seja uma realidade espiritual em nossas vidas. Existem promessas na bíblia que são exclusiva para Israel, mas muitas outras são para nossas vidas, os gentios, que hoje somos enxertados na oliveira verdadeira. O maná foi algo exclusivo para Israel, mas que trazem verdades espirituais para cada um de nós.

O que significa maná?

A palavra maná é um tipo transliteração aproximada de um termo hebraico que aparece pela primeira vez na Bíblia em Êxodo 16:31. No entanto, em Êxodo 16:15 lemos sobre o momento em que o povo de Israel descobriu o maná (Êx.16:15 – E, vendo-a os filhos de Israel, disseram uns aos outros: Que é isto? Porque não sabiam o que era. Disse-lhes pois Moisés: Este é o pão que o SENHOR vos deu para comer). O maná veio em resposta a uma ação de rebeldia do povo, murmurando e relamando daquilo que Deus estava fazendo com eles no deserto. E quantas e quantas vezes isto também acontece conosco? Somos agraciados pelo seu amor e misericórdia e recebemos Dele não o que merecemos, mas o que Ele nos oferece.

Quando os israelitas viram aquela substância na superfície do deserto, eles perguntaram “o que é isto?”. Assim, a expressão “o que é”, do hebraico man, parece ser a tradução literal desse termo, ou seja, provavelmente o significado de maná se refere à qualidade misteriosa do mantimento divino.

Como era o maná?

O texto bíblico nos diz que o maná era pequeno e arredondado, com coloração esbranquiçada, e parecia semente de coentro e bdélio. Quando exposto ao sol, o maná derretia. Seu gosto era adocicado semelhante a “bolos de mel”(Êx 16:31), mas também lembrava, de alguma forma, “bolos amassados com azeite” (Nm 11:8).

É possível que a diferença na percepção do sabor ocorra devido ao modo de preparo do maná. Ele poderia ser preparado assado ou cozido. Geralmente o maná era amassado ou moído antes de ser preparado.

Como o maná foi enviado?

A Bíblia diz que o maná foi enviado por Deus quando o povo de Israel começou a reclamar da falta de alimento. A Bíblia descreve o maná como sendo o “cereal do céu” (Êx 16:4; Sl 78:23,24), provido pelo Senhor para sustentar o Seu povo. Mas nem sempre será assim, porque a bíblia diz que a rebelião é como o pecado de feitiçaria(I Sm.15:23)

Algumas pessoas equivocadamente imaginam que o maná era enviado do céu como um tipo de “chuva”, ou seja, de uma forma que literalmente caísse do céu. Todavia, o que a Bíblia nos diz é que o maná aparecia a cada manhã na superfície do deserto após o orvalho evaporar, de modo que ele era semelhante a “escamas finas como a geada sobre a terra” (Êx 16:14).

As regras sobre o maná

O maná aparecia todos os dias pela manhã, com exceção do sábado. Os israelitas eram autorizados a colherem um ômer dessa substância por pessoa, essa medida equivalia a aproximadamente 2 litros. Não adiantava tentar pegar mais do que a quantidade autorizada, pois o maná estragava quando guardado para o outro dia. Apenas às sextas feiras os israelitas eram autorizados a pegar o dobro da porção de maná, para que houvesse mantimento na sábado, o único dia em que nenhum maná aparecia. A porção de maná que era guardado para o sábado deveria ser armazenada já preparada, ou seja, assada ou cozida.

A provisão do maná continuou durante toda a peregrinação dos israelitas pelo deserto, e só cessou quando eles entraram na terra de Canaã, já que ali teriam outros meios de sustento (Js 5:12).

Uma medida do maná foi guardada por Arão e mantida como um memorial, um testemunho da provisão miraculosa enviada pelo Senhor para as gerações futuras (Êx 16:33,34).

O que era o maná? Ele foi realmente um milagre?

Sem dúvida o maná foi um milagre, dado por Deus para mostrar quem Ele era para o seu povo.

Qual era a finalidade do maná?

Além de sustentar fisicamente os israelitas, Deus enviou o maná para ensinar lições espirituais para aquele povo.

Primeiro, foi permitido que o povo tivesse fome, mas depois o Senhor enviou o maná, para fazê-los entender que “não só de pão viverá o homem, mas de tudo o que procede da boca do Senhor, disso viverá o homem” (Dt 8:3). Assim, com a provisão do maná Deus humilhou, provou e fez bem àquele povo, ensinando-lhes que deveriam confiar em Sua Palavra (Dt 8:16).

Conclusão: Jesus foi, é e sempre será o nosso Maná. No capítulo 6 do Evangelho de João, Jesus falou sobre o maná. Em João 6:31-35 Jesus se refere ao maná como uma tipificação de si mesmo, e estabeleceu um contraste ao mostrar que o maná que os judeus comeram no deserto apenas lhes serviu como sustento, pois no final eles morreram. Porém, Jesus é o “verdadeiro pão do céu”dado por Deus, o “pão da vida”, da qual quem d’Ele comer nunca morrerá (Jo 6:48-50).

No livro do Apocalipse [2] encontramos mais uma referência ao maná na promessa feita a igreja em Pérgamo, onde foi prometido que ao vencedor será dado “o maná escondido” (Ap 2:17). Possivelmente essa expressão faz alusão à porção do maná que ficava escondido dentro da Arca no Santo do Santos (Hb 9:4). Quando entendemos que os ritos, ofertas e sacrifícios da Lei de Moisés eram imperfeitos e apenas serviam como sombra do único, definitivo e eficaz sacrifício de Cristo, então podemos entender que o maná escondido é o próprio Cristo, que alimenta de forma completa a sua Igreja. Amém

Cont: Estiloadoracao.com

Discipulos do Mestre Jesus

Posted By Apóstolo Moises On In Estudo para os 12,Estudos para as Células,Palavra | Comments Disabled

TEXTO: João 15:1-16

VERDADE CENTRAL : Somos discípulos de Jesus quando glorificamos o Pai através de nossos frutos, quando amamos as vidas e permanecemos no amor que Cristo nos ensinou.

Início: Fomos chamados à frutificação por Jesus, ao crescimento em todas as áreas. Frutificar e crescer são fatores imprescindíveis para todos os que têm um encontro genuíno com o Pai. Mas, o fundamental é conservar a frutificação e o crescimento.

Como líderes precisamos ter esse cuidado para com a vida de nossos discípulos. Jesus disse que uma das características que nos fariam ser Seus discípulos seriam os frutos, as vidas que Ele mesmo confiaria em nossas mãos. Temos essa responsabilidade da parte do Pai. “Nisto é glorificado meu Pai, que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos. Como o Pai me amou, assim também eu vos amei; permanecei no meu amor.” (Jo 15:8,9)

Não adianta crescer sem conservar os que estão no rebanho e transformá-los em discípulos. Para isso, vamos observar alguns fatores que como discípulos do Mestre:

  1. Gera discípulos

Através de você virá uma multidão de discípulos e Deus deseja aumentar cada vez mais a sua medida de frutificação. Porém, a Palavra é clara: se você se diz discípulo de Jesus, mostre os seus frutos. Isso só acontece quando antes você se permite ser discipulado por alguém. Alguns querem fazer discípulos, mas não querem sê-lo. Estão em células, fazem parte dos 12, vão a todas as reuniões, trabalham nos Encontros, ministram, alegram-se, até pensamos que já se tornaram discípulos, mas, na hora de apresentarem os frutos, estes não aparecem. E muitas vezes, por conseqüência dessa situação, surge a frustração. E, se alguém está numa rota de frustração receberá do Senhor uma ministração de cura e uma unção de alegria sem medida.

  1. É submisso

Você precisa ter consciência de que não há ministério de êxito se o líder não se submete ao discipulado. Estamos num século que prega a rebeldia, onde a Rainha dos Céus inoperou a ação da igreja, amarrou os santos e ficamos como que improdutíveis, sem nenhuma condição de avançar e, aí, quando se fala em submissão, aparecem logo os sintomas da rebeldia. Há ‘líderes’ que fazem colocações tão tolas, como: “estou num nível que não preciso mais de discipulado”. Enganam-se ao fazerem tal afirmação. Na realidade, estes são o que mais precisam!

  1. É ensinável

Você nunca estará totalmente pronto. Vai estar sendo aperfeiçoado a cada dia, até o dia de Cristo Jesus. Vamos precisar ser discipulados sempre. Precisaremos sempre de alguém nos orientando, nos dando instruções. Alguns, no entanto, chegam a um momento em que se julgam tão maduros, seguros, trabalhados, que não precisam de mais ninguém. Engano! Somos sempre carentes de uma autoridade sobre nossa vida. Até Jesus voltar vamos precisar de alguém que nos ajude, nos socorra, nos aconselhe. Você pode até saber mais do que seu discipulador, mas, se ele é um homem ou uma mulher de Deus e tem autoridade sobre você, você deve respeitá-lo. Jamais esqueça do que a Palavra diz: “Não é o discípulo mais do que o seu mestre, nem o servo mais do que o seu senhor.” (Mt 10:24)

Conclusão: Precisamos saber que, para ganharmos discípulos, para cuidarmos de alguém, devemos deixar que alguém cuide de nós, que alguém nos ministre, nos ajude, nos socorra.
Por muito tempo a igreja ficou omissa a respeito de discipulado. Mas, agora, com a igreja em células, temos a unção para preservar todos quantos vão se converter debaixo de nossa autoridade. E teremos uma grande colheita para apresentar os nossos frutos a Yeshua. Amém.

Fonte: MIR

Bençãos sem Medida

Posted By Apóstolo Moises On In Estudo para os 12,Estudos para as Células,Palavra | Comments Disabled

Texto: Ef. 1:3 – “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençoou com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo.

Início: Estamos vivendo o tempo do bom, do gostoso, do prazeroso, do hedonismo e da busca pelo bem estar espiritual, físico e mental. E o que venha ser o Hedonismo?
O que é Hedonismo:
Hedonismo consiste em uma doutrina moral em que a busca pelo prazer é o único propósito da vida.
A palavra hedonismo vem do grego hedonikos, que significa “prazeroso”, já que hedon significa prazer. Como uma filosofia, o hedonismo surgiu na Grécia e teve Epicuro e Aristipo de Cirene como alguns dos nomes mais importantes.
Esta doutrina moral teve a sua origem nos cirenaicos (fundada por Aristipo de Cirene), epicuristas antigos. O hedonismo determina que o bem supremo, ou seja, o fim último da ação, é o prazer. Neste caso, “prazer” significa algo mais que o mero prazer sensual.
No caso do hedonismo, a busca pelo prazer é aconselhada de forma intensa, levando também em conta os prazeres sexuais.
Como o hedonismo aborda a busca excessiva pelo prazer como o propósito mais importante da vida, muitas religiões a repudiam, pois consiste em uma doutrina que entra em choque com a doutrina de muitas igrejas.

Hedonismo ético e psicológico: O hedonismo pode ser dividido em duas categorias: hedonismo ético e hedonismo psicológico.
O hedonismo psicológico tem como fundamento a noção que em todas as ações, o ser humano tem a intenção de obter mais prazer e menos sofrimento, e essa forma de viver é única coisa que fomenta a ação humana. Por outro lado, o hedonismo ético tem como princípio o facto de o homem contemplar o prazer e os bens materiais como as coisas mais importantes das suas vidas.
Notamos no texto que acabamos de ler que não fala em bençãos materiais e naturais e sim que Jesus nos abençoou com bênçãos espirituais sem medidas e que isto vai muito além do aqui e agora. Porque senão estaremos fazendo igual os amigos de Jó, Elifaz o temanita, Bildade o suíta, e Zofar o naamatita; que o julgaram e tinham certeza que tudo que estava acontecendo com ele no Natural era consequência de pecado em sua vida espiritual. A vida do hedonista é vazia de significado. Salomão, depois de prometer a si mesmo “gozar o prazer” (Ec 2.1), satisfazer a concupiscência dos olhos e realizar seus desejos mais secretos (Ec 2.10); olhou para as obras de suas mãos e “eis que tudo era vaidade e aflição de espírito e que proveito nenhum havia debaixo do sol” (Ec 2.11.
As bênçãos manifestas sobre nós no Senhor Jesus:
Ele nos escolheu;(1 Co. 1: 27/29 – Pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para confundir os sábios; e Deus escolheu as coisas fracas do mundo para confundir as fortes; 28. e Deus escolheu as coisas ignóbeis do mundo, e as desprezadas, e as que não são, para reduzir a nada as que são; 29. para que nenhum mortal se glorie na presença de Deus).
Ele nos predestinou a sermos filhos;(Jo.1: 11/12-  Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. 12. Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus)
Ele remiu nossos pecados(Rm.6: 23. Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor)
Ele nos desvendou o mistério da centralidade do Senhor Jesus(Rm. 11: 36 Porque dele, e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém).
Ele nos fez herdeiros(Tito 3: 7- Para que, sendo justificados pela sua graça, fôssemos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna)
Ele nos selou com o Espírito Santo(Ef.1: 13-  No qual também vós, tendo ouvido a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, e tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa).
Conclusão:
Tudo isso é seu em Cristo Jesus, nosso Senhor, então não precisamos buscar aquilo que Ele não prometeu. Os amigos de Jó estavam enganados e rapidamente fizeram um julgamento errado sobre ele. Mas quando Jó intercedia por eles, Deus mudou a sorte do seu servo e foi lhe restituído tudo em dobro. Somente Deus não tinha tirado a sua esposa, pois ela tinha que ver e crer no Deus que o seu marido servia. Deus abençoou materialmente a vida de Jó, mas isto foi a cereja do bolo, isto foi o algo mais de Deus. A condenação do Hedonismo podemos comprovar na Palavra de Jesus em (Mc. 8:36 – Pois, que aproveitaria ao homem ganhar todo o mundo e perder a sua alma?) O compromisso de Deus para conosco está além de uma vida mansa e boa aqui na terra, é a certeza de uma vida Eterna no céu e é isto que deve mover o nosso coração, pois absolutamente nada de conquista aqui nesta terra, pode ser comparado a aquilo que o Senhor nos promete. A busca por coisas terrenas e passageiras é uma contaminacão de satanás para nos tirar do propósito e não podemos sair do foco e do nosso chamado. Amém.

Como será a vinda do Noivo.

Posted By Apóstolo Moises On In Estudo para os 12,Estudos para as Células,Palavra | Comments Disabled

Texto: I Ts. 5:1/11

Início: A bíblia diz que os dias são maus e isto é uma verdade, porém não podemos esquecer que a violência também é um sinal do fim dos tempos Entre tantos atos de violência que temos vivido em nosso país, esta semana ví uma reportagem de um roubo em S.Paulo que me deixou perplexo: Uma quadrilha foi de madrugada a um estabelecimento comercial, arrombou, entrou, e depois de alguns minutos chegou o resto da quadrilha em um caminhão médio e carregaram o que conseguiram, e não satisfeitos, voltaram no outro dia para continuar a roubalheira, pois através de um buraco que fizeram na parede, tiveram acesso a outras lojas e por alí levaram muitos objetos, capacetes de motoqueiro, acessórios para caros, dando aos proprietários um prejuizo financeiro tremendoc.  Em toda a bíblia não encontramos registrado quando será, não está marcado a volta de Jesus, mas o próprio Senhor nos disse em Mt. 24:35-36- (O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar.36 – Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai). Então isto não pode nos enganar, não é porque não sabemos o momento e o tempo, que vamos ficar despreocupados, achando que isto nunca viesse a acontecer, porque quando não sabemos quando isto acontecerá, mas como será nós temos este conhecimento e tudo está registrado nas sagradas escrituras. Então quero que vocês me sigam através de alguns sinais que a bíblia nos diz sobre a volta de Jesus:

Conclusão: Neste ultimo sinal, eu e vocês fazemos parte daqueles que responderam ao chamado de Jesus é vigiam pelas suas vidas e por manter a igreja de Yeshua pura, santa e sem mácula, para entregar esta igreja sarada a Ele, mesmo que feridos pela guerra travada, mesmo que fracos pela dureza do combate, mas revigorados na promessa que nos manteve em pé, ansiando este grande dia chegar. Yeshua conta conosco, Yeshua nos escolheu para transmitir as verdades do Reino para aquele que ainda não conhece. Eu e você somos a resposta para este mundo que jás no maligno, um mundo que tenta nos pressionar com seus ardíz e estratégias, mas que não vai conseguir nos vencer, porque em Yeshua nós já somos mais do que vencedores. Amém

A conquista do território através da ação missionária

Posted By Apóstolo Moises On In Estudo para os 12,Estudos para as Células,Palavra | Comments Disabled

Texto: Neemias 1.1-10

Deus nos ama com amor incondicional e imensurável. Mesmo fazendo tudo o que pudermos para corresponder a esse amor, não temos capacidade para isso, porque o amor do nosso Pai vai muito além daquilo que podemos viver ou compreender. Um amor que traz cura para os enfermos, não importando a gravidade da doença. Um amor capaz de perdoar os pecados, ainda que seja no último suspiro do pecador. Um amor que faz com que Jesus chore por um amigo morto e ainda o traga de volta à vida mesmo após 4 dias do sepultamento. Um amor capaz de remir todos os pecados do mundo através do seu sacrifício, de seu sangue precioso derramado por cada um de nós, etc., etc., etc..

Diante desse amor, o que podemos fazer?

Deus espera que cada um de nós entenda o chamado para que compartilhemos esse amor com aqueles que não o conhecem. Ele quer que compartilhemos esse amor com os que estão nas trevas, no engano, na prostituição, nos vícios. Com os que estão angustiados, perdidos e desamparados.

E também com aqueles que aparentemente não têm problemas tão sérios, mas precisam conhecer e compartilhar desse amor tão maravilhoso.

Quando nós entendemos esse propósito e queremos por em prática, com certeza, alegramos o coração do pai e nos tornamos aquilo que Ele nos criou para ser.

E é isso que Deus espera de nós. Que saiamos do automático, da nossa vidinha pacata para que possamos ir além daquilo que planejamos para o nosso futuro.

Neemias tinha uma vida tranquila. Vivia em um palácio. Estava em contato com o soberano de quase todas as nações época. Comia do bom e do melhor. Porém, ele não estava feliz com isso, pois seu povo estava em dificuldades. E isso fez com que ele tomasse as atitudes corretas que agradaram o coração de Deus que abençoou o propósito que Neemias estabeleceu no seu coração.

O mundo está esperando por nós, para que o iluminemos com o luz que carregamos, não podemos guardá-la só para o nosso deleite, mas compartilhá-la com aqueles que precisam conhecer o amor e o cuidado do nosso Deus. Jesus conta conosco. Precisamos estar atento e dispostos a fazer a diferença em qualquer lugar que estivermos. Devemos ter as atitudes de Neemias: 

  1. Buscar conhecer a realidade vivida pelas pessoas. (Neemias 1. 2-3)

Neemias perguntou sobre Jerusalém e recebeu uma má notícia sobre a cidade santa: o povo passava por grande sofrimento e os muros foram derrubados.

Ele, talvez, tivesse expectativa de ouvir algo bom, contudo, a notícia que lhe deram o entristeceu.

Para conquistarmos territórios temos que buscar ter um coração como o de Neemias que se comove com a dor das pessoas, mesmo sem conhecê-las e elas estarem a muitos quilômetros de distância.

Às vezes, estamos tão entorpecidos com tantas notícias ruins que esquecemos que somos a resposta de Deus para esse mundo tão conturbado. Ou estamos tão envolvidos com as nossas próprias coisas, com nosso trabalho, com nosso lazer e diversão, com nossos sonhos, com nossos problemas, que não temos a percepção do propósito que Deus estabeleceu para  nossas vidas.

Deus quer nos dar uma vida abundante, cheia de realizações pessoais e familiares, porém, não podemos esquecer de quem nós somos e qual é o nosso chamado: sermos luz do mundo e sal da terra.  Sermos aqueles que confortam o aflito e que conduz o perdido de volta ao pai.

Quando fomos ganhos para o Senhor, alguém se interessou pela nossa história de vida e se compadeceu. E se dispôs a nos falar do amor de Deus e até caminhar conosco. Com a minha vida isso aconteceu há alguns anos, através de um convite para célula. 

  1. Ter empatia (Neemias 1.4)

Empatia significa a capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela.

Neemias se colocou no lugar do povo que estava passando por um grande sofrimento.

Para conquistarmos territórios precisamos estar dispostos a sentir a dor do outro. Nos colocar no lugar do outro, para compreendermos suas angústias e para que sejamos um instrumento de Deus para as vidas que estão carentes do seu amor.

Se nós não levarmos o amor de Deus para aqueles que não o conhecem, essas pessoas morrerão e irão para o inferno. Mas quando nos lembramos de como vivíamos, de como éramos sem o amor de Deus, isso deve nos motivar a alcançar o perdido, porque Deus usou alguém para  nos trazer para sua maravilhosa luz.

Estamos prontos e capacitados psicologicamente para nos comprometer e sentir a dor daqueles que chegam até nós? Nossa resposta deve ser SIM! Porque se não somos capazes de ter empatia pelas pessoas que estão próximas de nós gritando por socorro, dificilmente ganharemos as nações!

  1. Interceder pelos perdidos e por aqueles que estão em dificuldades. (Neemias 1. 5-10)

Neemias jejuou e orou a Deus. Clamou pelo favor do Senhor para aqueles que estavam em dificuldade. Foi um grande intercessor.

E podemos ser grandes intercessores em favor daqueles que  passam por dificuldades e vivem uma vida cheia de conflitos e enganos.

Devemos crer que a nossa oração pode mover o mundo espiritual em favor daqueles pelos quais oramos. Não importa a situação, Deus toma para si a demanda em relação as vidas que estão debaixo de nossas constantes orações.

“A oração de um justo é poderosa e eficaz.” (Tiago 5.16)

Através da oração e do jejum podemos conquistar todos os territórios que Deus estabeleceu para nós.

A nossa intimidade com Deus, o nosso tempo dedicado a oração intercessória e o jejum vão determinar o tamanho do território que vamos conquistar este ano.

Pois nossas batalhas são no campo espiritual e não no natural, portanto se quisermos conquistar e consolidar nossas conquistas devemos estar dispostos a pagar o preço de oração e jejum de maneira continua.

Quando chegamos quebrados, tristes e com nossa vida por um triz, alguns Neemias se colocaram na brecha pelas nossas vidas, sem se importar com as consequências que isso poderia trazer para suas próprias vidas. Através dessa atitude, nossas vidas puderam passar pelo processo de reconstrução de bases e muros para serem restauradas. 

  1. Assumir a responsabilidade. (Neemias 2. 4-6)

Quantas vezes estivemos diante de alguma situação que nos chocou e não fizemos nada? Até ficamos indignados, entretanto, não tomamos nenhuma atitude. Ficamos à espera de que outra pessoa interviesse e resolvesse o problema.

Neemias se entristeceu com o sofrimento do povo e com a destruição da cidade. Se colocou no lugar daquelas pessoas e intercedeu por elas. Ele poderia ter parado por aí, porém, ele quis fazer ainda mais. Ir até lá. Viajar cerca de 1.600 quilômetros e mudar a realidade daquele povo.  Encontrou um ambiente destruído e um povo desanimado. Motivou as pessoas e as ensinou através de suas atitudes a crerem no Senhor. Não descansou até que os muros fossem restaurados. Mesmo estando sob pressões psicológicas e ameaças de morte.

Neemias era somente um copeiro quando atendeu o chamado do Senhor, vivia uma vida tranquila no palácio. Porém, isso não era o propósito de Deus para vida dele. Ele se tornou governador e o restaurador de uma nação. Sua identidade foi mudada. E através do reconhecimento de quem ele era e qual o seu chamado, Deus pôde transformar a vida de todo um povo.

Neemias foi um bom exemplo de como ser um bom missionário: doou sua vida para obra, fortaleceu seu povo de maneira física, emocional e espiritual.

Deus quer mudar nossa identidade também, para fazermos aquilo que fomos chamado para fazer: estabelecer o Reino dos Céus em todos os lugares. Levar a liberdade onde há prisão. Levar esperança onde há desengano. Levar vida onde a morte impera.

Desde que assumamos a responsabilidade, que não fiquemos esperando a vida passar sem nada fazer.

Deus tem um grande projeto para sua vida e para minha. Mas esse projeto só vai ser concluído quando assumirmos a responsabilidade de sermos a resposta de Deus para essa terra. E Sermos aqueles que vão conquistar os territórios que são nossos por herança.

No céu e na terra há grande expectativa em relação a nós:

 Por isso, a criação aguarda ansiosamente a manifestação dos filhos de Deus. (Romanos 8.19)

 Conclusão:Deus espera que tomemos a atitude de servir aqueles que Ele nos designou. Porque houve um Neemias que intercedeu por nós. Tomou a atitude de nos servir, de abrir a sua casa, de atender o telefone por vezes até mesmo de madrugada e orar conosco. Isso tudo sem ter certeza de que daríamos frutos. Sem saber se ouviria algum agradecimento. Por isso, precisamos sentir a necessidade de multiplicar tudo isso com aqueles que Deus colocar em nosso caminho. Deus fez tudo em nossas vidas, mas precisou de um instrumento, um missionário, alguém capaz de se comprometer conosco. Alguém que amasse vidas a ponto de interceder e se doar por nós!

Ser um Neemias significa sair do seu cotidiano, deixar o seu conforto, se disponibilizar a amar ainda mais. É trabalhar para a conquista e restauração dos territórios que Deus lhe designou. Deus conta conosco. Amém

Autor: Calimã